Colunistas

  • atron

Motociclismo e a sociedade

O Rock and Roll e o Motociclismo


26/12/2017 11h35

Recentemente um amigo meu, não motociclista, me perguntou por que os motociclistas em sua totalidade gostam tanto do rock and roll. Eu respondi a ele que se o motociclismo estradeiro houvesse surgido no Brasil o ritmo preferido por nós seria o samba. O amigo ficou chateado com a minha resposta. É claro que eu estava brincando com ele. Mas sei que muitas pessoas que não são do nosso meio também gostariam de saber a razão desse amor que temos pelo rock and roll.

Para tentarmos explicar esse fenômeno é primordial divagarmos um pouquinho sobre a origem do rock, que por sinal é um assunto um tanto ou quanto controverso, pois a delimitação exata de quando se iniciou esse ritmo musical que acompanha o motociclismo não é bem definida, entretanto, a teoria mais aceita é que o rock and roll do jeito que hoje conhecemos nasceu entre as décadas de 1940/1950, através de uma combinação de diversos gêneros musicais da época, com destaque para: “O Gospel, a Folk Music e o Blues”, em especial as formas elétricas, desenvolvidas em Memphis, Nova Orleans e Texas, também não podemos deixar de citar as influências do Country e do Jazz.

O desenvolvimento do Rock and Roll a partir do final da década de 30 e início da década de 40 foi um processo evolutivo, e não um registro único que possa ser identificado inequivocamente como o primeiro disco de rock. Mas existe alguns candidatos reconhecidos para o título de primeiro disco de rock que são: “Strange Things Hapening Everyday” de Sister Roseta Tharpe, conhecida na época como a Rainha do Rock and Roll (1944), “Rock Awhile” de Goree Carter (1949), “Rock me Joint” de Jimmy Preston (1949), música essa regravada por Bill Haley e seus Cometas em 1952, e “Rocket 88” de Jackye Brenston and his Delta Cats.

A palavra Rock teve uma longa história no idioma inglês, sendo entendida como uma metáfora para “To Shake Up, To Disturbo or To Incite (Sacudir, Perturbar ou Incitar)

O termo “Rocking” era usado por cantores negros gospel no Sul dos Estados Unidos, para dizer algo semelhante ao êxtase espiritual. Já na década de 40, no entanto, o termo foi usado com um duplo sentido, referindo-se pretensamente a dançar e ao ato sexual.

O verbo “Roll” era uma metáfora medieval que significava ter relações sexuais. Atualmente o sentido mais aceito pelo mundo para a frase “Rock and Roll” é: Balançando e Rolando.

Atualmente, “Rock and Roll”, é tocado em todos os continentes, com diversas tendências ou características locais. Mas uma coisa não se modifica, pois o Rock é, foi e será o ritmo que embala os motociclistas do mundo inteiro.

Nos Estados Unidos, segundo a AMA (American Motorcycle Association, Associação Americana Motociclistica), o Moto Clube mais antigo, foi um clube formado por mulheres: “O Motormaids”, a AMA reconheceu a sua associação em 1940, mas um outro Moto Clube “O Outlaw” reivindica esse “status” de moto clube mais antigo dos Estados Unidos com fundação em 1936, entretanto, a AMA não concedeu esse “status”, pois o “Outlaw” mudou o seu nome por duas vezes, até ser reconhecido efetivamente como “Outlaw MC”. Surgiram nos EUA outros Moto Clubes, também na década de 40, como por exemplo: “Pissed off Bastards of Bloomington”- POBOB (1947), Boozerfighters MC (1946), dentre outros.

Como podemos então observar o motociclismo organizado e o “Rock and Roll” surgiram na mesma época. No meu modo de ver, essa coincidência fez com que os motociclistas adotassem o Rock como o ritmo preferido pelos mesmos. E isso se transferiu para os motociclistas de todo o mundo.

Em 1969, a indústria cinematográfica lançou o filme “Easy Rider”, que teve em português o título de “Sem Destino”, que se tornou um ícone para os motociclistas de todo o mundo, principalmente a sua trilha sonora: “Born To Be Wild” executada pela banda Stephen Wolff que acabou se tornando, não oficialmente, o hino do motociclismo mundial.

Prezados Leitores, entendam que essa minha crônica, foi fruto de uma grande pesquisa, que me levaram a entender o porquê os motociclistas do mundo abraçaram o Rock and Roll como seu ritmo preferido. Mas essa opinião não possui caráter científico ou oficial, é apenas uma tentativa de poder responder a pergunta do meu amigo. Pode não responder oficialmente, mas nos dá um pequeno conhecimento do Rock e do nosso amado hobby.

Sonivaldo Vieira Leite
18 textos publicados

69 anos, Casado, Pai de 5 filhos, Engenheiro de Vôo Aposentado, trabalhou na Varig por 39 anos, Motociclista desde 1.972 ininterruptamente. Atualmente possue uma Road King 2017 e uma Fat Boy

  • Booking.com

Mototour - Seu portal em duas rodas, Motos, Encontros de Motociclistas, Moto Clube e muito mais...

Todos os Direitos Reservados

Tempo de carregamento da página: 0.07988 segundos