Notícias

Yamaha aposenta a XT 660R, uma trail puro sangue, com roda aro 21 e suspensões de longo curso Divulgação (Foto: Divulgação)

Notícias

Yamaha anuncia o fim da XT 660R

Após 13 anos de sucesso, trail monocilíndrica deixa de ser fabricada e abre espaço para a nova aventureira média de dois cilindros da marca japonesa


Arthur Caldeira / Agência Infomoto

Agência Infomoto

07/02/2018 16h17

Lançada no início de 2005 no Brasil, a XT 660R foi criada para substituir a famosa XT 600 da Yamaha, porém com visual e motor mais modernos. Uma verdadeira trail de uso misto em sua melhor forma. Rodas raiadas, aro 21 na dianteira, suspensões de longo curso e a proposta de encarar qualquer estrada. Fosse para um passeio pela cidade, uma viagem, uma aventura off-road, a “XT meia-meia-zero”, como é chamada pelos seus fãs, fazia o trabalho.

Agora em 2018, 13 anos depois, a Yamaha aposenta a XT 660R no Brasil – assim como aconteceu na Europa em 2016. Embora não tenha se pronunciado oficialmente, um comunicado direcionado aos concessionários da marca agitou as redes sociais e os grupos de WhatsApp na última semana de janeiro. “Comunicamos a descontinuidade da produção e o encerramento do estoque de fábrica do modelo XT 660R”, afirmava a circular administrativa. Estava decretado, então, o fim de uma era.

A “XTzona” e suas variantes, como a Ténéré XT 660Z, equipadas com o monocilíndrico de exatos 659,7 cm³ não serão mais produzidas, pois esse moto não atende às novas normas de emissão de poluentes europeias. Como muitos componentes de seu motor eram importados, a Yamaha Brasil também teve de aposentar o modelo.

Sucesso robusto

Ao longo dos 13 anos em que esteve nas lojas (2005-2017), a XT 660R foi um sucesso: 30.110 unidades foram emplacadas, segundo dados do Denatran. Uma média de 2.316 vendidas anualmente, o que lhe garantiu a liderança do segmento Maxitrail por muitos anos.

Equipada com um robusto motor de um cilindro, a XT 660R trouxe diversas tecnologias modernas à época do seu lançamento, como injeção de combustível, pistão forjado e outras peças internas leves. Com refrigeração líquida, comando simples no cabeçote para controlar as quatro válvulas, o monocilíndrico produzia razoáveis 48 cavalos de potência máxima a 6.000 rpm.

Mas foi seu torque máximo de 5,95 kgf.m atingido a 5.520 giros que “conquistou” corações. Quem nunca sentiu “o soco no estômago” de um monocilíndrico de grande capacidade não sabe o que está perdendo. Basta girar o acelerador para disparar na frente dos outros carros e motos no semáforo. Ou ainda aproveitar o torque que, de acordo com os fãs, faz com que ela suba “até parede”. Pilotar a XT 660R com tranquilidade é quase impossível, a cada arrancada, uma nova emoção.

Sua ciclística trail “puro-sangue” com rodas raiadas de 21 polegadas na dianteira, suspensões de longo curso, guidão largo e silhueta esguia também é outra razão para o seu sucesso. Um verdadeiro “trator” de duas rodas.

O quadro do tipo diamante, o garfo telescópico na dianteira e a balança traseira monoamortecida proporcionavam uma excelente distância livre do solo: 21 cm, o suficiente para superar obstáculos e até arriscar uma trilha mais pesada. Mas o banco a 86,5 cm do solo intimidava os mais baixinhos. O sistema de freios usava disco nas duas rodas.

Embora siga a receita clássica das trails, a XT 660R tinha um design atual e tecnologia moderna. O ar de modernidade vinha da injeção eletrônica e também do painel completamente digital, até então incomum nas motos do segmento. O bom acabamento também ajudou a XT 660R substituir com honras a sua antecessora – comandos modernos, rodas e guidão de alumínio e um pequeno parabrisa eram alguns itens que chamavam a atenção quando chegou ao mercado.

Versões

O conjunto mecânico foi tão bem-sucedido que a Yamaha produziu outras versões da XT 660. Pouco tempo após seu lançamento, serviu como base para a supermotard XT 660X, que tinha rodas de alumínio de 17 polegadas calçadas com pneus esportivos – infelizmente, a versão “X” nunca foi vendida no Brasil.

Em 2008, chegou ao nosso mercado a MT-03, que usava o motor de um cilindro em um conjunto naked e urbano. Equipada com rodas aro 17 e um design ousado, essa versão, entretanto, teve vida curta: só ficou a venda por um ano.

Apesar de sua versatilidade, a XT 660R tinha algumas limitações para viagens mais longas. Seu banco de espuma fina cansava e a autonomia do tanque de 15 litros era baixa. Com isso, a Yamaha relançou outro clássico em 2008: a XT 660Z Ténéré.

Com quadro e suspensões diferentes, a nova geração da Ténéré usava o mesmo motor de 660cc e desembarcou no Brasil em meados de 2011. Com proposta mais aventureira, oferecia conforto e autonomia com seu tanque de 23 litros. O modelo também parou de ser produzido no País em 2017.

Uma nova era de dois cilindros

Os fãs da XT encheram os posts nas mídias sociais e os grupos de discussão com críticas à aposentadoria do modelo, além de dúvidas sobre o futuro das aventureiras da Yamaha. A única certeza é que a sucessora da XT 660R e da XT 660Z Ténéré não será monocilíndrica.

Embora de manutenção simples e torque abundante, os motores de um cilindro com grande capacidade têm consumo de combustível e emissão de poluentes altos para os padrões atuais. Segundo fontes ligadas à fábrica, o valor para desenvolver um monocilíndrico moderno não se justificaria. Por isso mesmo, a Yamaha já prometeu uma nova aventureira de 700cc, equipada com o mesmo motor de dois cilindros da naked MT-07.

Com 689 cm³, o bicilíndrico de 75 cv de potência e torque desde os baixos giros deve dar vida à nova Ténéré 700. Apresentada pela primeira vez no Salão de Milão 2016 como conceito, a T7, ou Ténéré 700, tem uma proposta mais aventureira, com tanque grande e controles eletrônicos. Tudo para brigar com modelos como a BMW F 800GS e a Triumph Tiger 800 que, já há alguns anos, vinham superando a linha XT 660 nas vendas.

Mas e quanto à versão trail? Infelizmente, tudo indica que não haverá uma versão trail “pura”, leve com tanque pequeno e medidas enxutas como a XT 660R, pois a Yamaha deverá investir em uma bigtrail com tecnologia e conforto para longas viagens. Mas os fãs podem ficar tranquilos que a roda de 21 polegadas e a vocação off-road deverão ser características da futura aventureira da Yamaha. Mas o monocilíndrico explosivo deverá ficar no passado.

Notícias relacionadas

Triumph apresenta nova Speed Triple com 150 cv

Honda lança versão mais aventureira da Africa Twin

Nova Softail Slim mostra evolução da Harley

BMW divulga preço da G 310 GS

Versão da Super Ténéré sai de linha

Nova CB 1000R traz mais potência e eletrônica

Vereador quer liberar linha com cerol para prática esportiva em BH

BMW já produz a G 310 GS no Brasil

BluSnap: um ar-condicionado para capacetes

Nova Ducati Panigale V4 tem melhor relação peso/potência entre esportivas

Mototour - Seu portal em duas rodas, Motos, Encontros de Motociclistas, Moto Clube e muito mais...

Todos os Direitos Reservados

Tempo de carregamento da página: 0.1779 segundos