Colunistas

Motociclismo e a sociedade

A importância do garupa


04/01/2019 22h06

Recentemente, escutei de uma parceira de um motociclista o seguinte dizer: “Quando estou na garupa do meu parceiro em viagem eu até durmo”. O motociclista em questão ficou todo vaidoso, pois esse dito só comprovou a total confiança que a sua parceira deposita nele. Por ser amigo do casal fiquei extremamente preocupado, pois entendo o fato de uma maneira totalmente oposta. No meu modo de ver, por uma questão de parceria e segurança, a garupa deve ser o copiloto da nave motocicleta, se mantendo sempre alerta. Que deve estar naquele posto para ser companheira, parceira, ajudar na pilotagem e na segurança do casal.

O piloto tem a obrigação de chamar a sua garupa à responsabilidade, fazendo com que a mesma se sinta importante e comprometida não só com o prazer, mas também com a segurança das viagens e passeios de motocicleta.

As viagens de motocicleta, principalmente as longas, exigem uma boa preparação, tais como o plano de viagem, as condições técnicas da motocicleta, as condições físicas dos personagens, a indumentária e equipamentos de segurança , tais como capacete, luvas, casaco, capa de chuva, dentre diversos outros itens. Mas vejo como de muita importância, tanto quanto os citados acima, a preparação e informação sobre todas as características da viagem com o garupa. Também chamada em aviação de “briefing’. Esta preparação deve obrigatoriamente passar pelo pedido de ajuda na pilotagem, mostrar a parceira a sua importância e necessidade no decorrer da viagem.

Eu entendo como de boa prática, quando do início da viagem, regular os retrovisores de maneira tal que, a garupa enxergue com facilidade a parte de trás da motocicleta e combine com ela algum sinal quando a mesma observar algo que a mesma entenda ser diferente ou perigoso para o bom andamento da viagem. Deixe-a bem a vontade, a informando que a qualquer momento que a mesma esteja cansada comunique que, será feita quantas paradas forem necessárias, pois é importante para você que a sua parceira esteja se sentindo muito bem e confortável, não esqueça que a biologia e resistência da mulher são diferentes das do homem.

É natural que em alguns momentos em longas viagens o sono chegue não só para a garupa, mas também para o piloto, mas nem por isso devemos dormir, imaginem se o motociclista der uma dormidinha no guidon? Seria muito perigoso, mas um garupa dormindo também se torna perigoso para pilotagem, principalmente se houver algum imprevisto que obrigue o condutor a alguma manobra brusca.

O fato é que viajar de motocicletas é muito agradável, mas é muito mais gostoso quando estamos acompanhados da pessoa que amamos junto e participando efetivamente de todos os aspectos da viagem. Mas de preferência com a parceira acordada e aproveitando todos os detalhes da viagem e ajudando na manutenção da segurança.

A confiança no motociclista não se comprova dormindo, mas sim viajando sempre com ele e demonstrando a alegria de estarem juntos curtindo momentos agradáveis, que só os passeios e viagens de motocicleta proporcionam, e sempre o ajudando na condução segura.

Sonivaldo Vieira Leite
23 textos publicados

69 anos, Casado, Pai de 5 filhos, Engenheiro de Vôo Aposentado, trabalhou na Varig por 39 anos, Motociclista desde 1.972 ininterruptamente. Atualmente possue uma Road King 2017 e uma Fat Boy

Mototour - Seu portal em duas rodas, Motos, Encontros de Motociclistas, Moto Clube e muito mais...

Todos os Direitos Reservados

Tempo de carregamento da página: 0.08183 segundos