Notícias

Motor da MT-07 tem torque desde os baixos giros e pede poucas trocas no câmbio de seis marchas (Foto: Renato Durães)

Novidade

Yamaha MT-07 passa por face-lift e fica mais confortável

Assento maior, suspensões renovadas e novo visual são as novidades da naked média. Vendida com ABS de série custa R$ 33.790


Arthur Caldeira

Agencia Infomoto

21/12/2018 14h37

Em 2017, a Yamaha MT-07 foi a naked acima de 500cc mais vendida do Brasil. Com 1.406 unidades emplacadas, o modelo superou as concorrentes Honda CB 650F e Yamaha XJ6 com seus quatro cilindros. Para voltar a liderar o segmento, a bicilíndrica MT-07 passou por um face-lift e ganhou assento mais confortável e suspensões renovadas no modelo 2019, que chegou às lojas em outubro com freios ABS de série e preço sugerido de R$ 33.790.

As mudanças no design deixaram a MT-07 mais “encorpada”. O farol maior, lembra o da MT-09, e o tanque ganhou carenagens laterais com entradas de ar maiores. A lanterna traseira também mudou e os piscas dianteiros estão agora fixados ao lado do radiador. É preciso atenção para notar que se trata de um novo modelo.

Mais conforto

Mas é na hora de montar na moto que se nota uma das principais mudanças. O novo assento, mais amplo, agora, estende-se à frente nas laterais do tanque. Com isso oferece mais conforto ao piloto. Em uma viagem de cerca de 300 km, o banco não cansou como o da geração anterior. A única questão, nesse caso, é a total ausência de proteção aerodinâmica. Tanto que a Yamaha comercializa um pequeno parabrisa como acessório para quem pretende viajar com a naked.

Outra mudança bem-vinda e facilmente notada é o acerto das suspensões. O garfo telescópico ganhou novas molas internas e um novo óleo, de acordo com Henrique Silve, instrutor técnico da Yamaha. Na traseira, o monoamortecedor ganhou ajuste no retorno, além da regulagem da pré-carga da mola.

Nas sinuosas estradas do interior paulista, o trem dianteiro mostrou-se mais firme, aumentando a confiança para inclinar nas curvas. O amortecedor traseiro também tem menos oscilação nas retomadas. Um ajuste fino que aumentou a diversão de pilotar a naked em uma serra.

Motor torcudo

Embora não tenha sofrido mudanças, o bicilíndrico de 689 cm³ e refrigeração líquida ainda é um dos destaques da MT-07. O desempenho continua igual e isso não é necessariamente uma má notícia. A configuração do virabrequim crossplane com intervalos de ignição de 270° garante bom torque desde os baixos giros até atingir o máximo de 6,9 kgf.m a 6.500 rpm.

Tanto torque que exige poucas mudanças no câmbio de seis velocidades até mesmo na cidade, onde é possível circular em quarta marcha a 50 km/h sem problemas. Com pouca vibração, mais conforto e baixo consumo de combustível. Em trecho urbano, a média foi de 23,7 km/litro.

A potência máxima de 74,8 cv a 9.000 giros pode não ser maior do que as concorrentes, mas se mostrou suficiente para atingir velocidades acima do permitido ou rodar a 140 km/h sem esticar muito o motor. Já em ritmo mais rápido o consumo aumentou para 21,4 km/litro. Em média, o tanque de 14 litros tem autonomia para 300 km.

Naked versátil e divertida

A nova geração da MT-07 pode não ser assim tão nova. Afinal, o modelo não ganhou controles eletrônicos e manteve apenas o freio ABS de série. Mas os ajustes finos nas suspensões e o assento mais confortável foram melhorias bem-vindas para quem, eventualmente, pega a estrada.

Melhorias que ampliaram a versatilidade da MT-07, já que a naked é excelente no dia-a-dia. Com apenas 183 kg em ordem de marcha, assento baixo (80,5 cm) e motor torcudo, ela é ágil na cidade onde se comporta como uma moto de menor porte.

Com aumento de cerca de 5% no preço, a nova MT-07, vendida a R$ 33.790, tem tudo para voltar a brigar pela liderança do segmento. A naked média chega para desafiar a Honda CB 650F que tem quatro cilindros e preço sugerido de R$ 34.900, outros modelos bicilíndricos de menor capacidade e potência, como a Kawasaki Z 650 (R$ 29.990) e a Suzuki SV 650 (R$ 27.911), também são rivais da Yamaha.

Ficha técnica

Yamaha MT-07 ABS

Motor Dois cilindros paralelos, DOHC, quatro válvulas por cilindro e refrigeração líquida

Capacidade cúbica 689 cm³

Diâmetro x curso 80 x 68,6 mm

Taxa de compressão 11,5:1

Potência máxima 74,8 cv a 9.000 rpm

Torque máximo 6,9 kgf.m a 6.500 rpm

Câmbio Seis marchas

Transmissão final Corrente

Alimentação Injeção eletrônica

Partida Elétrica

Quadro Tubular em aço do tipo Diamante

Suspensão dianteira Garfo telescópico convencional com 130 mm de curso

Suspensão traseira Balança monoamortecida com 130 mm de curso e ajuste no retorno e na pré-carga da mola

Freio dianteiro Disco duplo de 282 mm de diâmetro com pinça de pistão duplo (ABS)

Freio traseiro Disco simples de 245 mm de diâmetro com pinça simples (ABS)

Pneus 120/70-ZR17 (diant.)/ 180/55-ZR17 (tras.)

Comprimento 2.085 mm

Largura 745 mm

Altura 1.090 mm

Distância entre-eixos 1.400 mm

Distância do solo 140 mm

Altura do assento 805 mm

Peso em ordem de marcha 183 kg

Tanque de combustível 14 litros

Cores Racing Blue (azul metálico), Matt Gray Fluo (cinza fosco), Matt Black (preto fosco)

Preço sugerido R$ 33.790

Notícias relacionadas

Estúdio de Miami cria réplica da BMW R7, a “Mona Lisa” das motos

Nova Kawasaki Ninja ZX-6R mostra que “cilindrada” não é tudo

Os pedágios de moto mais caros do Brasil

Nova Yamaha MT-09 chega ao Brasil mais moderna por R$ 43.690

Cinco motivos para não atravessar uma enchente de moto

Cinco motos nakeds de 1.000cc

Honda CB 1000R: compare a nova e a antiga geração da naked japonesa

Mitos e verdades sobre pneus de moto

Nova Honda CB 1000R 2019 no Brasil

BMW F 850GS Adventure oferece mais autonomia e conforto

Mototour - Seu portal em duas rodas, Motos, Encontros de Motociclistas, Moto Clube e muito mais...

Todos os Direitos Reservados

Tempo de carregamento da página: 0.11102 segundos